sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Campina do Monte Alegre e a Revolução Constitucionalista de 1932



Campina do Monte Alegre um município com pouco mais de 6 mil habitantes colaborou de forma decisiva na história da Epopéia Constitucionalista de 1932 no que se referiu à Revolução no Setor Sul do estado de São Paulo. De fato, nesta localidade, também conhecida por "Campina dos Aranhas", foram vividos os derradeiros momentos da resistência final dos Paulistas do Exército Constitucionalista do Setor Sul, os quais, sob o comando do coronel Brazilio Taborda, enfrentaram tropas da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, Força Pública Pernambucana e do Exército Brasileiro que avançavam em direção à Itapetininga sob o comando do general Waldomiro Castilho de Lima.

Voluntários paulistas com destino a Campina de Monte Alegre


Oitenta anos depois dos confrontos militares aqui ocorridos,  muito dos  acontecimentos ali decorridos em 32 pode ainda ser encontrados na cidade. Principalmente em termos de vestígios dos Combates. De fato,  recentemente, um garoto encontrou no solo da vizinhança uma bomba que lançada fora de aviões - os "vermelhinhos" que bombardearam a cidade.

Bruno e sua coleção de cápsulas da revolução de 32

De fato, o menino Bruno Fernando Campos Santos, de apenas 13 anos, estudante da Escola Municipal "Enil Bores de Moraes Ferreira", é um dos muitos garotos de Campina de Monte Alegre que encontram pelo chão da cidade cápsulas de calibres diveros de fuzil, revolveres e possuiu ele ainda uma ogiva de bomba na sua crescente coleção. Entusiasmado e cheio de curiosidades com as histórias da guerra, Bruno descreve o que sabe do episódio: "Ouvi falar que morreu muita gente, teve muito tiroteio, foi triste."

Bruno conta que tem guardadas mais de 90 cápsulas de fuzil da época da Revolução. Uma delas ainda traz a data de fabricação legível: 1912. Um dos locais onde ele mais encontra esse tipo de material é a região do morro do Mandaçaia, que fica em Buri, na divisa com Campina do Monte Alegre. Conta a história que durante os meses de agosto a outubro, as tropas adversárias se posicionaram no morro do Mandaçaia para atacar as trincheiras paulistas em lugares onde hoje se encontra a igreja de São Roque, em Campina do Monte Alegre.

A igreja de São Roque em 2013


A ogiva de bomba, composta de material semelhante a aço foi encontrada por Bruno enterrada no chão em 2010. "Eu fui andando, vi um negócio enterrado, escavei com uma pedra e era isso aqui", diz o menino, exibindo a peça com a sensação de quem mostra um troféu.

O lavrador Lourenço Gomes, de 77 anos, disse que a peça encontrada por Bruno fazia parte das bombas lançadas pelos aviões "vermelhinhos" das forças ditatoriais. Segundo Gomes, as bombas eram muito temidas pelos paulistas por causa do grau de destruição: "Era a bomba mais perigosa: quando lançada e atingindo o alvo, ela explodia soltando estilhaços."


Monumento ao Avião "Vermelhinho"

Em memória à epopéia constitucionalista, há dois monumentos em Campina de Monte Alegre que chamam a atenção e que já foram matéria de vários meios jornalísticos, sempre no feriado de 9 de Julho. Trata-se de uma réplica em tamanho natural do temível "Vermelhinho"

Monumento ao Soldado Constitucionalista

Além dos monumentos, a pouco mais de dois quilômetros do centro da cidade encontra-se a Estação da Estrada de Ferro da Sorocabana Engenheiro Hermillo, palco que foi da defesa do setor por soldados constitucionalistas, sendo mais tarde tomada pelas tropas federais que para ali avançaram.


Estação Engenheiro Hermillo: palco de combates


Museu do Soldado Constitucionalista no Espaço Cultural

A sede do Espaço Cultural de Campina do Monte Alegre possui um museu dedicado à Revolução de 32 que contém peças encontradas em vários lugares da cidade, entre elas, cápsulas de fuzil, cantil, granada, bombas, baionetas, sabres, bolsa de munição e estojo da campanha "Ouro por São Paulo", além de capacetes de aço, manual de instruções, fotografias de combatentes, medalhas, etc.

   
Capacetes de Aço dos mais variados: alguns com furos de metralha


Medalhas, distintivos, fotos, cartas, cartões, dinheiro da época

Nenhum comentário:

Postar um comentário